...e os sonhos? eram só sonhos...e a vida? a vida continua... e eu? eu sobrevivi...
...obrigada por afagar, com seu olhar e seu carinho meus escritos...

terça-feira, 9 de maio de 2017

Aos poucos, desaprendi...





Talvez, por ter nascido assim
povoada por carências,
e tão dentro de mim reclusa,
ao te ver e conhecer
me aturdi, me confundi...

Talvez por ter nascido assim
e por esperar demais
me deixei fantasiar, sonhar
e quando os silêncios foram tantos,
me perdi e caí...

Talvez por ter nascido assim,
me deixei pelos medos atordoar
e em mil teias emaranhadas
em agonia e desespero
colidi, me contundi...

Talvez por divagar com quimeras
e meus olhos não acordarem
no almejado conto de fadas
meu diminuto sorriso
não mais brandi...
               aos poucos, desaprendi!
(ania)




9 comentários:

  1. Lindo poema, Ania, foge dos poemas corriqueiros; diz das dores, das emoções, das tristezas e da conscientização real. Aliás, narra a vida real, em que todos nós mergulhamos, para depois emergirmos, quem sabe de profundezas.
    Muito, muito bom, e gostei da repetição "talvez por ter nascido assim" algo que deu muita força ao poema, belo.
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  2. Ania, como sempre um belo poema. Sempre podemos mudar e sair das tristezas e voltar a sorrir.
    Um beijo.
    Élys.

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que podemos reverter e aprender sempre;
    Mas gostei do poema.
    Boa continuação de semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Ania, nos dejas unos encantadores versos, escribes una bella comparación... Con la penosa soledad del alma si, pero uno/ua nunca debe rendirse, de las caídas siempre hemos de levantarnos y seguir adelante.

    Un abrazo, y mi gratitud.

    Se muy feliz.

    ResponderExcluir
  5. Mesmo tendo desaprendido a sorrir, podemos sempre voltar a aprender e a ter esperança no dia de amanhã.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Talvez por ser assim...teu poema...toca em mim.
    Querida Ania, continua a escrever poemas assim,tão belos...que nada existe assim...
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Amava este blog no tempo do Orkut que bom que encontrei novamente

    .

    ResponderExcluir
  8. Me vi em teu poema, principalmente as duas primeiras estrofes, de uma forma tão incrível!
    Escreves com tamanha profundidade e verdade, que teus sentimentos são quase nossos.

    Abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  9. Quando leio seus versos me sinto seguro. Obrigado!

    Akuarius K

    ResponderExcluir

Seu comentário afaga minha alma...obrigada!